Mente...

Mente...

  1. O conceito de Patanjali sobre a mente

 

O mundo é como você o vê. Nossa mente e não o mundo é a origem de todas as nossas experiências : dignidade ou desonra, felicidade ou tristeza, cativeiro ou libertação. Nossa felicidade não é determinada pelos acontecimentos, bens ou pessoas em nossa vida, mas sim pela nossa mente. Não importa a quantidade de bens ou bençãos que possuímos, não podemos gozá-los a menos que nossa mente esteja serena e forte. A mente fraca e inquieta sempre distorce nossa visão das coisas e sabota nossa felicidade. No entanto, o inverso desse axioma também é verdade: afirma o yoga que, como o estado de nossa mente determina nossa

imagem da realidade, podemos nos tornar felizes e completamente realizados não transformando o mundo, mas transformando a nossa mente.

Nossa mente vive fantasiando, imaginando coisas desnecessárias. A mente é muita rápida e vai além e já vê o dia seguinte, a reportagem no jornal, a reação da família, dos amigos. Quando nós damos conta do rumo que a coisa tomou já não há mais volta em ter aproveitado aqueles instantes para apreciar a bela arvore por que passamos ou outros detalhes que poderiam ser sinais importantes no nosso caminho.

E assim acontece com a maioria das pessoas, dia após dia. Não temos controle sobre nossa mente, e esta então nos deixa exaustos. E nossa mente não faz isto de vez em quando, mas centenas e milhares de vezes por dia. Por isso o Yoga também é aquietar as ondas de pensamento da mente, algo que é imperioso para a meditação no ser.

O ser humano na maioria das vezes precisa de um forte baque para passar à dar valor às pequenas coisas que passam desapercebidas no seu dia-a-dia , mas que são o maior tesouro que alguém pode ter.  Por exemplo  apreciar um banho, a água caindo do chuveiro sobre seu corpo no fim de um dia de trabalho sem que a mente esteja a mil. Às vezes essas pequenas e valiosas coisas (todas disponíveis de graça) só são percebidas em toda sua beleza quando se perde a possibilidade de experimentá-las. Não há fórmula para que isso não aconteça, mas saber é o primeiro passo .

Toda imagem mental tem grande influência sobre o nosso comportamento e destino. Por isso, para que sejamos uma fonte de bem-estar, precisamos zelar constantemente pelos nossos pensamentos.

Cada pensamento elevado gera efeitos positivos e aumenta nossa autonomia pessoal.  Seja na fila do supermercado ou esperando o elevador, nossa mente não necessita estar ociosa nem aberta às distrações.  Escolhendo e memorizando alguns pensamentos inspiradores, podemos meditar sobre eles a qualquer momento, aumentando a nossa vitalidade psicológica.

Dhyana é a arte de observar  o funcionamento da mente, sem qualquer tipo de identificação ou envolvimento com as atividades mentais e seus turbilhões de pensamentos.Sentimentos, idéias, palavras e atitudes são agentes magnéticos de indução para o melhor ou o pior, conforme o rumo que se lhes traça.

No Yoga Sutra 1.3 Patanjali diz que quando isso acontece o observador repousa em sua própria natureza, ou seja, “o ser interior” . Realizar  o “ser” é o verdadeiro objetivo de Dhyana. Este ser não pode ser atingido nem pelos sentidos e nem pelas faculdades da mente.

Este só pode ser realizado quando o turbilhão da mente cessa. É dito que, assim como um espelho coberto de pó não pode  refletir a luz do sol, a mesma forma uma mente agitada e inquieta, coberta pelo pó dos tumultos mentais não pode refletir a nossa verdadeira  natureza : “ o ser interior”

Dhyana começa quando nos separamos da mente e nos tornamos apenas uma testemunha silenciosa.

Outro aspecto importante  é o processo respiratório, pois esse, além de nutrir o nosso organismo com o oxigênio, transporta para o nosso interior o prana ou energia vital. O oxigênio nutre  e purifica nosso organismo e o prana se encarrega de manter a vitalidade. A respiração tem , entre muitos aspectos , a fundamental importância de controlar nossa mente e nossos estados emocionais , dando-nos controle  sobre tais estados e, evitando que as toxinas produzidas pelo nossos sentimentos intoxiquem nosso organismo. Além  do controle que a respiração  promove sobre o nosso controle mental e emocional, ela também tem o potencial de nos trazer totalmente para o momento presente. “o corpo é o passado, a respiração é o presente e a mente é o futuro”. Sem uma total consciência do momento presente, não é possível desenvolver uma qualidade de vida totalmente saudável, por isso  ,respire, alongue e abra um novo horizonte em sua vida.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *