Significado do símbolo Yantra

Por Sri Swami Satchidananda

Yoga Integral é um Yoga completo e o Yantra do Yoga Integral é também completo. É uma representação total do cosmos.

Algumas imagens externas são usadas em meditação ou adoração para simbolizar ou expressar certas idéias e qualidades divinas. Quando mantras (fórmulas de sons usados em meditação) ou idéias divinas são usadas em meditação, certas imagens são trazidas à tona. É algo como líquido sendo cristalizado na forma sólida. Estas figuras geométricas são, na verdade, formas de mantras cristalizados. Um Yantra é uma expressão física de um mantra – um mantra sendo um aspecto divino na forma da vibração de um som – Yantra na forma de uma figura geométrica.

Em linguagem simples, como eu disse antes, nosso Yantra yoga integral representa a completa criação. Cada parte do Yantra corresponde a um diferente aspecto do cosmo. De acordo com o pensamento yogi, Deus ou a Consciência Cósmica, é originariamente não-manifesto – apenas É. Quando Deus começa a se manifestar, a primeira expressão é a vibração do som. A Bíblia explica isto dizendo: ” No princípio era a Palavra e a Palavra estava com Deus, e a palavra Era Deus.” Aqui, “palavra” significa som.

Em sânscrito eles falam alguma coisa similar, mas dão um passo adiante: “Nada, bindhu, kalaa” – o som, então uma mancha, então a arte ou raios. Se Deus manifesta como som, você não pode ver nada. Qual é a menor expressão que você pode ver? O bindhu ou mancha. Ela deveria ser a menor partícula possível. Mas, naturalmente, se for tão pequena que não podemos ver, então no Yantra é mostrada como uma mancha grande bem no centro do símbolo. O bindhu representa a primeira expressão física, o âmago do cosmo. É esta mancha que está expressa como kalaa. Kalaa significa os diferentes aspectos ou literalmente os diferentes raios ou diferentes artes.

As próximas expressões são três anéis de diferentes colorações (matizes) ao redor do bindhu. Eles representam os três gunas ou qualidades básicas da natureza: sattva (equilíbrio), rajas (atividade) e tamas (inércia). No pensamento yogi, tudo no universo manifesta-se unicamente em resposta a uma combinação única destas três gunas. Todas as diferenças nos fenômenos do mundo são devidas às variações destas três qualidades básicas.

Então você vê o hexágono ao redor dos três anéis. Isto pode ser muito bem explicado com um exemplo da ciência. Se você tirar uma fotografia de um cristal, você verá que sua forma natural é de seis lados. Este é o motivo que o Yantra tem seis triângulos ao redor do centro. Significa que a primeira partícula de problema pode expressar-se como um problema tão complexo como um cristal.

Estes seis triângulos são na verdade, uma combinação de dois triângulos maiores, um apontando para baixo, outro para cima. Na medida que um triângulo passa através do outro, nos conseguimos esta figura de seis lados. O triângulo com o vértice para cima representa o aspecto positivo ou aspecto masculino; o triângulo invertido é o aspecto negativo ou feminino. Em sânscrito, este conceito é chamado Siva-Shakti. É uma combinação de masculino-feminino, igualmente representado. Não existe inferioridade ou superioridade para nenhum dos aspectos; eles misturam-se perfeitamente. Qualquer lado você virar o Yantra, eles permanecerão o mesmo. Isto faz a totalidade, e representa por si mesmo o nirguna (não-manifesto) tão bem quanto o saguna (manifesto), aspectos completos do Supremo.

Uma vez que os triângulos estão juntos, o hexágono poderia então representar algo mais: os seis tattvas ou princípios básicos – os cinco sentidos e a mente como o sexto. O cristal de seis lados então se manifesta para fora em expressões mais amplas da energia e problemas primordiais. Porque e como isto acontece? Fora do amor. Então todas as bonitas pétalas do lótus representam a manifestação de amor.

Outra maneira de explicar as pétalas é que as oito pétalas internas representam os elementos sutis, enquanto as dezesseis externas indicam as manifestações grosseiras.

Então você vê os três círculos maiores ao redor das pétalas. Eles indicam como estes elementos de longe expressam como os três mundos: causal, astral e físico. Mas, mesmo isto não é o final. A expressão Divina é ilimitada. Isto porque os círculos são emoldurados por um quadrado com falhas apontando para fora, representando o infinito da criação.

OM Shanti, Shanti, Shanthi

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *